Como Liderar Pessoas na Era Digital?

março 16, 2022 | Conceitos Lean

Em tempos cada vez mais digitais, líderes precisam mostrar clareza e consistência sobre o que precisa ser preservado e o que precisa de mudanças. Discutimos como essa chamada liderança ambidestra pode funcionar com Florian Hochenrieder, partner da Staufen AG.

Liderança eficaz – por que é tão importante, especialmente agora?

Liderança tornou-se um termo muito usado nos últimos anos. Muitas vezes é mal interpretada como “Ok, vamos trabalhar no desenvolvimento da equipe”. Mais precisamente nestes tempos – era digital e crise da COVID-19 – uma liderança eficaz está particularmente em alta. O que isso significa? Liderança eficaz significa criar clareza: para onde vai a jornada? Onde estamos atualmente? Quais são os desafios atuais que enfrentamos? E então promover consistência entre todos os envolvidos. Entre funcionários, outros gestores, mas claro também entre parceiros, fornecedores ou clientes.

Mais do que nunca, em tempos particularmente desafiadores, trata-se de concluir atividades e tarefas de forma consistente. E não apenas para a empresa, mas também com relação a uma cadeia de valor interligada. Como todos trabalham juntos da melhor maneira possível para alcançar bons resultados?

Além de clareza e consistência, liderança eficaz significa ousadia. Em outras palavras, ousar conscientemente fazer as coisas em conjunto com os outros, a fim de, às vezes, ir além do necessário.

A “era digital” exige um tipo diferente de liderança?

A resposta é: sim e não. Em tempos digitais, liderança sempre significa liderar com as duas mãos. Ambidestra, ou seja, liderança ambidestra, que é um termo da moda, frequentemente usado. Isso quer dizer que a mudança e a liderança são bem-sucedidas quando você age de forma “ambidestra”. “Uma mão” cria clareza sobre o que precisa ser preservado, por exemplo, porque funciona ou porque os padrões foram comprovados em tempos analógicos, bem como em tempos digitais e de crise. A “segunda mão” responde à pergunta sobre o que precisa ser mudado especificamente agora e onde talvez até mesmo a interrupção seja necessária.

Como a liderança eficaz funciona em termos concretos?

A liderança eficaz pode ser projetada em sete parâmetros de projeto. Esses parâmetros também se refletem na Estrutura de Liderança da Staufen. Com eles, é possível alinhar com eficácia e eficiência a liderança e a cultura de liderança como um todo.

1.Estrutura

Liderança eficaz significa criar a estrutura certa, criar as condições ideias para que o líder, sua equipe e os processos, estruturas e sistemas de uma organização possam se desenvolver de forma que uma criação de valor de excelência seja possível no final.

2. Tarefas

As competências e responsabilidades devem ser definidas de forma clara e transparente entre os envolvidos. Nesse contexto, é importante que os líderes estejam cientes de suas próprias responsabilidades de liderança. Isso envolve, por exemplo, perceber que para um líder é menos uma questão de completar tarefas administrativas ou realizar reuniões excessivas, mas muito mais focar no desenvolvimento de uma estratégia adequada e nos resultados necessários e mensuráveis.

3. Papéis de liderança

O que realmente significa ser um líder? Liderança sempre irá remeter a ser um modelo e um executor (o melhor). Significa ser um agente de mudança que impulsiona a mudança e um “networker” que faz conexões inteligentes. Outra função é a de gestor de partes interessadas, que reúne as pessoas certas, as partes certas e, em última análise, as alavancas certas, que efetivamente concentra as forças para trabalhar nas imagens-alvo (target pictures).

4. Ferramentas de liderança

O objetivo é realmente usar e implantar ferramentas de gestão tradicionais, como relatórios, reuniões, planos de implantação e listas de verificação de forma eficaz e eficiente. O foco na liderança precisa ser aguçado para permitir a excelência com algumas ferramentas certas.

5. Competências

Capacitar e desenvolver outras pessoas é outra responsabilidade fundamental da liderança. Isso inclui a promoção sistemática de suas próprias habilidades e das competências-chave que se percebe nos outros e/ou que gostaria de desenvolver. O desenvolvimento das pessoas, o treinamento e o coaching, por exemplo, desempenham um papel fundamental como fatores de sucesso para o impacto da liderança sustentável.

6. Comportamento

As competências são fortalecidas por meio da aplicação regular e gradualmente transformadas em hábitos eficazes. Os líderes podem promover isso dando o exemplo, bem como com coaching e mentoria direcionados para seus times e, se necessário, outras partes interessadas. Tudo se resume a transformar os comportamentos e rotinas adequados como parte da cultura ativa.

7. Cultura corporativa

A cultura e o desenvolvimento da cultura sempre desempenharam um papel essencial para capacitar e levar empresas de excelência para o próximo nível. Uma cultura de desempenho que possibilite a criação e o foco no valor é essencial para que todos os stakeholders cresçam continuamente e entreguem resultados diferenciados e, acima de tudo, sustentáveis.

O papel das pessoas nos tempos digitais

As pessoas não são necessariamente altamente orientadas para o digital; no entanto, as pessoas sempre continuam sendo o fator de sucesso mais importante, independentemente do contexto empresarial. Cada indivíduo também é um “líder” no sentido de atuar como um agente de mudança para seu ambiente. É fundamental sempre colocar as pessoas no centro, para que a melhoria contínua seja possível, mesmo em tempos difíceis.

Portanto, além da tese de que “liderança é o poder de mudar”, também se aplica a tese de que “não podemos deixar de liderar”. Cada pessoa ou se torna um moderador de sua própria realidade, moldando as coisas de forma bastante consciente, ou são guiados e influenciados por circunstâncias externas, o que pode se tornar perigoso. Além do perigo de procrastinação e desmotivação, há também o risco de mediocridade e de ficar para trás em relação à concorrência no longo prazo. Especialmente durante as crises e tempos muito voláteis, dinâmicos e digitais, é essencial permanecer no controle.

O novo desafio: liderança “remota”

A liderança em tempos digitais é muitas vezes chamada de “liderança remota”, ou seja, liderar à distância em um sentido mais amplo. Assim como na liderança presencial, é importante garantir a motivação e inspiração das pessoas envolvidas, além de focar no desempenho e nos resultados. Isso representa um desafio para os líderes.

Aqui estão alguns insights de liderança pessoal de Florian Hochenrieder:

Defina uma causa nobre comum para sua equipe.

A equipe define em conjunto o que a representa.

Veja o que está aí.

Os líderes trazem clareza e transparência sobre a situação atual. Eles são responsáveis por identificar o que pode e o que não pode ser mudado. O poder da mudança é então focado em usar as alavancas certas.

Reconheça o que funciona.

O líder define prioridades claras e orienta a equipe com relação às metas. Aqui, além da liderança, é abordado o tema “servir a equipe”. Pergunta norteadora: Quais são as poucas, mas relevantes, alavancas para o sucesso?

Ouse fazer o que importa.

Coragem e ousadia contam nos tempos digitais. É importante ousar fazer coisas novas, mesmo na liderança remota. Isso pode incluir novas ferramentas ou novas abordagens de liderança, como delegação virtual de responsabilidade para a equipe.

Capacite a equipe.

O líder dá à equipe espaço para aprender e treinar, bem como para experimentar. Em tempos digitais, é mais importante do que nunca capacitar os funcionários, porque novas habilidades são necessárias agora.

Pratique a mudança contínua com sua equipe.

Líderes e equipe se desenvolvem de forma ambidestra. Juntos, eles discutem regularmente o que funcionou bem ou não nas últimas semanas e, então, se ajustam de maneira consistente e inteligente.

A confiança mútua é fortalecida quando esses seis pontos também são comunicados aberta e honestamente dentro da equipe, bem como em um ciclo curto (por exemplo, em reuniões de sprint diárias ou semanais). Ao fazer isso, o significado, o respeito e a apreciação podem ser experimentados.

Em tempos difíceis, um bom líder pode admitir que acha difícil a tarefa de liderança na situação atual?

Todo líder deve responder “sim” a esta pergunta. É absolutamente normal admitir para nós mesmos e para outras partes interessadas que estamos enfrentando desafios. É honesto e até constrói confiança e motivação admitir que a tarefa de liderança pode ser mais difícil do que no passado.

No coaching e mentoring de gestão, o tema “desenvolver o destemor” está cada vez mais sendo abordado com esse propósito. Destemor não significa eliminar ou abandonar a ansiedade ou o medo, mas significa enfrentar conscientemente seus próprios medos e coisas que podem ser mais difíceis do que antes – e admitir isso para si mesmo e para os outros.

Admissão autêntica, honestidade consigo mesmo, com a equipe e também com os parceiros, clientes e fornecedores, ajuda os outros a se abrirem e admitirem: “Ei, você tem razão, as coisas estão mais difíceis agora. É estressante. É caótico.” Ao admitir isso juntos, você aborda a mentalidade certa e o modo certo para encontrar soluções. Portanto, é claro que os líderes devem focar na transparência. Você deve, inclusive, discutir abertamente medos e preocupações com a equipe e, se necessário, com as partes interessadas, a fim de identificar os problemas e, em seguida, resolvê-los e dominá-los de maneira a atingir os objetivos desejados.

Leia mais sobre liderança:

MANTENHA-SE ATUALIZADO

Subscribe to our newsletter