“O difícil não é começar, é perseverar.”

agosto 26, 2021 | Entrevista

O que torna as empresas bem-sucedidas a longo prazo? Por que precisamos de mais coragem? Como as empresas podem motivar seus funcionários a longo prazo? Conversamos sobre isso com Marc Gassert, cientista da comunicação e mestre em artes marciais, também conhecido como o “Shaolin loiro”.

Como as empresas podem manter seus funcionários motivados?

Sr. Gassert, o senhor conhece bem o mundo ocidental e também o oriental. O que o Ocidente pode aprender com o Extremo Oriente?

Esta é uma questão complexa. No Ocidente, em 500 a.C., havia três caras cuja filosofia criou modelos de sociedade e de ética que ainda são válidos e sustentam nossa sociedade até hoje. Estamos falando de Sócrates, Platão e Aristóteles. Ao mesmo tempo, havia também três caras na Ásia que moldaram o mundo do lado de lá com seus modelos de pensamento: Confúcio, Lao Tzu e Buda. Se você sobrepor os ensinamentos desses seis homens, descobrirá que eles não são tão diferentes.

No Oriente, o foco é maior no “nós”, enquanto no Ocidente há um foco claro no “eu”. No mundo globalizado, pode-se brincar com esses modelos de pensamento e combinar o lado bom de um mundo com o lado bom do outro.

O que torna as empresas bem-sucedidas a longo prazo? Como uma empresa pode alcançar a alta performance e permanecer assim?

Uma empresa deve aproveitar suas motivações e, é claro, as de seus funcionários. Além disso, é importante praticar a resiliência, ou seja, voltar a subir, para que você continue olhando para frente e seja proativo diante de contratempos ou crises. A mentalidade certa é essencial aqui. Os japoneses diriam: “Ganbatte Kudasai!” ou seja, “Aguente firme!”

Isso se refere ao que você disse uma vez: “O difícil não é começar, é perseverar”?

As empresas têm grande interesse que seus funcionários atinjam suas metas. Os gestores têm a tarefa de explicar as metas ao time. Eles devem motivar os funcionários e tornar a meta atraente. Se o gestor faz bem o seu trabalho, os funcionários ficam motivados, ou se motivam porque gostam da meta, ou seja, absorvem intrinsecamente o apelo da meta.

Outra afirmação que você fez sobre o equilíbrio é: “Para que tudo permaneça em equilíbrio, as coisas têm que mudar”. As empresas precisam se tornar mais ágeis e adaptáveis, especialmente em um mundo caracterizado pela volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade – o mundo „VUCA“.

O equilíbrio não é um estado estático, mas, em última análise, uma vibração: você precisa fazer um esforço para estar em equilíbrio, como um equilibrista em pé na corda. Afinal, eles dizem: “Você precisa de visão, precisa de compreensão, precisa de clareza e precisa de agilidade”.

Na minha opinião, deve haver um C no final, ou seja, VUCAC. O que significa coragem, sem a qual nada disso é possível. A sociedade precisa de mais fatores de coragem. Estamos em uma fase de hesitação em que ninguém gosta mais de tomar decisões.

“O mundo pertence aos bravos.” Coragem é o começo da mudança. Como você vê a questão da coragem no nosso mundo corporativo, que em parte insiste em não cometer erros?

A prevenção de erros é uma estratégia amplamente difundida e incrivelmente inteligente. Na China, as pessoas costumam usar a frase “Não seja excessivamente confiante, não se coloque em perigo” ou “O segundo rato pega o queijo”.

Mas eu diria o contrário: onde você aprende mais? Nos erros! Também precisamos de inovações. As pessoas ou empresas que são as primeiras a produzir uma inovação possuem maior visíbilidade. Mesmo quando cometem erros no processo.

O que nos move como humanos? Como podemos extrair mais de nós mesmos e permanecer motivados?

A motivação intrínseca é a força motriz mais sustentável que uma pessoa pode gerar. Isso também é empolgante para as empresas, pois elas precisam conduzir e motivar constantemente seus funcionários. No entanto, se os funcionários estiverem intrinsecamente motivados, isso pode não ser necessário.

Existem diferentes formas de motivação intrínseca.

A primeira forma é o elogio. Algumas pessoas querem apenas ser elogiadas. Às vezes, antes mesmo de iniciar uma tarefa. Isso as motiva a começar.

Para outros, o elogio não faz muito. Pode até torná-los inseguros. Essas pessoas precisam de maior clareza.

O terceiro grupo precisa de competição. Por exemplo, esses funcionários se esforçam para sempre conseguir algo a mais que seus colegas.

No entanto, uma grande empresa não pode estimular os pontos de gatilho certos para cada funcionário individualmente. Aqui, outros motivadores intrínsecos são necessários.

O que as empresas podem fazer para motivar seus funcionários?

Recomendo às empresas que reflitam sobre os três tipos de motivação e os utilizem estrategicamente.

O primeiro motivador é a biologia e a bioquímica do corpo. Um exemplo simples é criar pressão e criar estresse porque o estresse se transforma em desempenho. Mas: quanto mais hormônios do estresse no corpo, menos é possível manter a mente focada na solução de um problema.

No nível bioquímico, no entanto, não apenas os hormônios do estresse podem ser liberados, mas também os hormônios da felicidade, por exemplo, quando os funcionários são elogiados ou recebem incentivos. Os funcionários desejam cada vez mais esse sentimento de felicidade e, assim, tornam-se pessoas de alto desempenho.

O segundo motivador está no nível de valor. Idealmente, os valores corporativos devem coincidir com os valores individuais dos funcionários.

A terceira forma de motivação intrínseca é a pura força de vontade de um indivíduo. Muitas coisas que precisam ser feitas não as são por razões biológicas ou honrosas, mas simplesmente porque têm que ser feitas.

Você é um forte seguidor do taoísmo, que se concentra em tornar o mundo um pouco melhor o tempo todo. Como você avalia atualmente os desenvolvimentos na Europa? Estamos em um bom caminho para tornar o mundo um lugar melhor?

Recentemente, conversei com o ex-ministro grego Yanis Varoufakis. Ele está preocupado com a situação atual na Europa porque as forças de polarização são tão grandes que estão praticamente separando a Europa. Eu também vejo uma tendência ao nacionalismo que não gosto. É quando às vezes penso, nas palavras de Ronja, a filha do ladrão, “Oh Deus, espero que o mundo não vá para os cachorros.”

Os taoístas gostam de ampliar sua visão. Por um lado, eles observam como está o indivíduo, mas também como está a sociedade e, finalmente, como a natureza está. Acredito que muitas pessoas e empresas estão adotando cada vez mais essas diferentes perspectivas. Nesse sentido, nosso olhar se polariza quanto à crise climática ou mesmo aos limites da atividade econômica.

Alguns processos que surgem no nosso caminho são incrivelmente empolgantes – eles nos impulsionarão como sociedade e mudarão o mundo.

Host

Dr. Thilo Greshake, Partner, STAUFEN.AG

Doutor em engenharia mecânica, com mais de 15 anos de experiência em consultoria internacional em desenvolvimento Lean, excelência em engenharia e gestão de qualidade, o Dr. Thilo Greshake é responsável pela divisão automotiva da Staufen AG desde 2017.

Convidado

Marc Gassert, Cientista da comunicação e mestre em artes marciais

Marc Gassert é palestrante. Ele é conhecido em todo o país como o “Shaolin loiro” e dá palestras animadas sobre a transferência de conhecimento entre a cultura oriental e ocidental. Marc Gassert estudou primeiro ciências da comunicação e comunicação intercultural em Munique e depois estudos japoneses em Tóquio. Ele fala seis idiomas e possui vários mestrados em Karate, Taekwondo e Shaolin Kung-Fu.

Stay up to date

MANTENHA-SE ATUALIZADO

Subscribe to our newsletter